25 de Maio de 2019 -
 
15/05/2019 - 18h20
Após cinco dias preso, ex-presidente Michel Temer e Coronel Lima deixam a prisão após decisão do STJ
Ex-presidente estava detido preventivamente em São Paulo desde quinta-feira 9
Redação
Veja.com
Em coletiva de imprensa na residência do ex-presidente, o
advogado Eduardo Carnelós afirmou que não teme nova
prisão de Temer (Amanda Perobelli/Reuters)

O ex-presidente Michel Temer (MDB) deixou o Comando de Policiamento de Choque da Polícia Militar, em São Paulo, na início da tarde desta quarta-feira, 15. O emedebista estava preso preventivamente desde a quinta-feira 9 em uma sala de Estado Maior, espaço individual e sem grades, diferente de uma cela de prisão. Na quarta-feira 14, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu libertá-lo. O político agora segue para sua residência, na capital paulista.

Por 4 votos a zero, os ministros do STJ Saldanha Palheiro, Laurita Vaz, Rogério Schietti e Nefi Cordeiro votaram para libertar Temer e o policial reformado João Baptista Lima Filho, conhecido como Coronel Lima, ex-assessor de Temer, com medidas cautelares. O ex-presidente está impedido de se relacionar com outros investigados, mudar de endereço, sair do país e exercer cargos públicos e partidários.

Temer e Lima são alvos da Operação Descontaminação, desdobramento da Operação Lava Jato no Rio para investigar desvios em contratos de obras na usina Angra 3, construída e operada pela Eletronuclear, estatal que recebia influência política do emedebista e aliados dele.

Quando a ação foi deflagrada, em março, Temer foi preso e passou quatro dias detido na Superintendência da Polícia Federal (PF) no Rio, até ser solto por uma decisão liminar do desembargador federal Antonio Ivan Athié, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2).

Ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) julgam o pedido de habeas corpus
de Michel Temer - 14/05/2019 (YouTube/Reprodução)

Na quarta-feira 8, no entanto, a Primeira Turma Especializada do mesmo tribunal suspendeu a decisão de Athié e mandou prender Temer novamente, assim como coronel Lima, amigo do emedebista há mais de trinta anos e suspeito de ser operador de propinas destinadas a ele.

Em sua residência, nesta quarta-feira, o ex-presidente afirmou que cumpriu sua promessa de se apresentar à PF e aguardar “com toda a tranquilidade e serenidade” a decisão do STJ. Temer afirmou, ainda, que tem uma expectativa “positiva” depois da decisão da Corte.

Eduardo Carnelós, advogado de defesa do emedebista, disse que, a partir da decisão da Sexta Turma do STJ, “fica estabelecido, de forma muito clara, que não há nenhum fundamento para manter” o ex-presidente preso preventivamente.

Carnelós afirmou, ainda, que aguarda ser convocado para apresentar a defesa contra as acusações feitas. Ele acrescentou que não teme nova prisão do ex-presidente. “Para temer isso, eu teria que temer a quebra das instituições brasileiras”, declarou.

Questionado se Temer estava sendo perseguido pelo Judiciário, Carnelós foi taxativo. “Isso não é uma questão de avaliação. Isso é um fato, não há dúvida de que há uma evidente determinação em perseguir o ex-presidente Temer. Só posso lamentar que isso ocorra”, finalizou.

 

publicidade
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
© 2013 - AgoraNews.com.br - Todos os Direitos Reservados

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial, reprografia, fotocópia ou qualquer forma de extração de informações deste sem prévia autorização dos autores conforme legislação vigente.